Duas vagas para comunicação social no Exército

Estão abertas as inscrições para o Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar do Exército, que esse ano oferece duas vagas para Comunicação Social. O concurso é de carreira, o candidato entra no cargo de 1º tenente e pode ir até tenente-coronel. Só pode participar quem tiver até 36 anos em 31 de dezembro de 2014.

O candidato que for aprovado em todas as etapas fará um curso de formação de aproximadamente oito meses em Salvador/BA. Só ao final do curso saberá quais as localidades de trabalhos oferecidas e poderá escolher de acordo com sua classificação.

Vejam os detalhes:

CARGO: Comunicação Social

VAGAS: duas

SALÁRIO: em torno de R$ 6.000,00 (bruto)

INSCRIÇÕES: até o dia 09 de agosto, no site da EsFCEx

VALOR: R$ 110,00

ETAPAS:
1) Exame intelectual: provas objetivas.
2) Inspeção de saúde: exames de saúde.
3) Exame de aptidão física: teste físico.
– Sexo masculino: a) flexões de braços, b) abdominal supra, c) corrida de 12 minutos e d) flexão de braços em barra (sem limite de tempo).
– Sexo feminino: a) flexões de braços, com apoio dos joelhos, b) abdominal supra e c) corrida de 12 minutos
4)  Verificação documental e comprovação dos requisitos biográficos: envio de documentação.
5) Revisão médica: entrega de laudos e exames complementares realizados durante inspeção de saúde
6) Curso de Formação de Oficiais: com duração aproximada de 8 meses, com início em março e término em novembro. O curso será realizado na Escola de Formação Complementar do Exército (EsFCEx), que fica em Salvador/BA.

PROVAS OBJETIVAS: de Conhecimentos Gerais (Língua Portuguesa, História do Brasil, Geografia do Brasil, e Língua Inglesa ou Espanhola) e de Conhecimentos Específicos. As provas serão realizadas no dia 22 de setembro.

PARA ESTUDAR
1) Língua Portuguesa (7 questões)
1. Ortografia. 2. Acentuação. 3. Pontuação. 4. Classe, estrutura e formação das palavras (morfossemântica). 5. A oração e seus termos (morfossintaxe). 6. Concordância verbal e nominal. 7. Regência verbal, regência nominal e emprego de crase. 8. O texto e a construção de sentidos. 9. Coerência e coesão. 10. Emprego dos tempos, modos verbais e vozes verbais. 11. Fenômenos semânticos (metáfora, metonímia, sinonímia, antonímia,  eufemismo, hiperonímia, ambiguidade, vaguidade, polissemia, homonímia).

BIBLIOGRAFIA
ANTUNES, Irandé. Lutar com as palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola, 2005.
BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. rev. amp. atual. Rio de Janeiro: Lucerna. 2009.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, S.A.
OLIVEIRA, Luciano A. Manual de semântica. Petrópolis: Vozes, 2008.

2) História do Brasil (8 questões)
1. Brasil Colônia: administração, economia, cultura e sociedade. a. Capitanias Hereditárias e Governos Gerais. b. As atividades econômicas e a expansão colonial: agricultura, pecuária, comércio e mineração.  c. Os povos indígenas; aldeamentos; ação jesuítica. d. As camadas senhoriais, os escravos e outros trabalhadores. e. A conquista dos sertões; entradas e bandeiras. f. O exclusivo comercial português. g. Os conflitos coloniais e os movimentos rebeldes de livres e de escravos do final do século XVIII e início do século XIX. h. A transferência da Corte portuguesa para o Brasil e seus efeitos; o período joanino no Brasil. 2. O Brasil Monárquico. a. A independência do Brasil e o Primeiro Reinado. b. A Constituição de 1824. c. Militares: a Guarda Nacional e o Exército. d. A fase regencial (1831- 1840). e. O Ato Adicional de 1834. f. As revoltas regenciais. g. Centralização x descentralização. h. A consolidação da ordem interna: o fim das rebeliões, os partidos, a legislação, o fortalecimento do Estado, a economia cafeeira, a tributação. i. Modernização: economia e cultura na sociedade imperial. j. A escravidão, o movimento abolicionista e a abolição. k. A introdução do trabalho livre. l. Política externa: as questões platinas, a Guerra do Paraguai e o Exército. m. O movimento republicano e o advento da república. 3. A República brasileira. a. A Constituição de 1891, os militares e a consolidação da República. b. A “Política dos governadores”. c. O coronelismo e o sistema eleitoral. d. O movimento operário. e. O tenentismo. f. A Revolução de 1930. g. O período Vargas (1930 – 1945): economia,  sociedade, política e cultura. h. A crise do governo Vargas. i. O período democrático (1945 – 1964): economia, sociedade, política e cultura. j. A intervenção militar, sua natureza e transformações entre 1964 e 1985. k. O milagre econômico. l. A redemocratização. m. Os movimentos sociais nas décadas de 1970 e 1980. n. A campanha pelas eleições diretas. o. A Constituição de 1988.

BIBLIOGRAFIA
ALGRANTI, Leila Mezan. D. João VI: os bastidores da independência. São Paulo: Ática, 1987.
ALMEIDA, Gelsom Rozentino de. História de uma década quase perdida – PT, CUT, crise e democracia no Brasil – 1979/1989. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
______. Cidadania no Brasil, o longo caminho. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
CAPELATTO, Maria Helena. O movimento de 1932: a causa paulista. São Paulo: Brasiliense, 1981.
CASTRO, Celso, IZECKSOHN, Vitor e KRAAY, Hendrik (Org.). Nova História Militar Brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.
CASTRO, Therezinha de. História da Civilização Brasileira. Rio de Janeiro: Capemi, 1982.
COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.
FORJAZ, Maria Cecília Spina Forjaz. Tenentismo e política: tenentismo e camadas médias urbanas na crise da Primeira República. São Paulo: Paz e Terra, 1977.
FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 2000.
______. A revolução de 1930: historiografia e história
______. História Geral da Civilização Brasileira. O Brasil Republicano. Sociedade e Instituições (1889 – 1930). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990. (Tomo III, v. 2).
FRAGOSO, João & SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá. Monarquia pluricontinental e a governança da terra no ultramar atlântico luso – Séculos XVI – XVIII. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.
FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
GRINBERG, Keila & SALLES, Ricardo (Org). O Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. 3 volumes.
HABERT, Nadine. A década de 70: Apogeu e crise da ditadura militar brasileira. São Paulo: Ática, 2006.
JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. O coronelismo: uma política de compromisso. São Paulo: Brasiliense, 1992.
LINHARES, Maria Yedda (Org.). História Geral do Brasil. 9.ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.
LOPEZ, Luiz Roberto. História do Brasil Contemporâneo. 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto: 1983.
MALERBA, Jurandir (Org.). A independência brasileira. Novas dimensões. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
MONTEIRO, Hamilton. Brasil República. São Paulo: Ática, 1986.
MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra:Índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
MOTA, Carlos Guilherme (Org.). Brasil em Perspectiva. 17. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.
PRADO Jr., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. 23. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994. 390 p.
RODRIGUES, Marly. A década de 80. Brasil: quando a multidão voltou às praças. São Paulo: Ática, 1992.
SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
TAVARES, Luís Henrique Dias. O primeiro século do Brasil: da expansão da Europa Ocidental aos governos gerais das terras do Brasil. Salvador: EDUFBA, 1999.
TOLEDO, Caio Navarro de. O Governo Goulart e o golpe de 64. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

3) Geografia do Brasil (8 questões)
1. Espaço Geográfico Brasileiro. a. A formação do território nacional. b. A inserção da economia brasileira no processo de globalização da economia: 1)
o Brasil e o Mercosul; 2) o desenvolvimento econômico e o s indicadores sociais no Brasil. c.  O espaço industrial brasileiro: 1) o papel do Estado na industrialização brasileira; 2) o período desenvolvimentista e os PNDs; 3) o tripé da industrialização: empresas multinacionais, nacionais e estatais; 4) concentração e desconcentração industrial no Brasil; 5) características atuais da industrialização brasileira; 6)  diversificação industrial brasileira. d. A urbanização: 1) a urbanização brasileira no século XX; 2) o processo de metropolização no Brasil; 3) a urbanização e as etapas da industrialização; 4) os problemas urbanos. e. A rede de transportes e comunicação brasileira, sua estrutura e evolução. f. O espaço rural brasileiro: 1) características do mundo rural brasileiro; 2) concentração fundiária no Brasil; 3)  a expansão das fronteiras agrícolas; 4) o uso da terra; 5) a modernização da agricultura no Brasil; 6) a reforma agrária e as lutas sociais no campo; 7) a produção de matérias – primas no campo; 8 ) a produção de alimentos; 9) a produção de biocombustíveis. g. A população brasileira: 1) a formação, estrutura e dinâmica da população brasileira; 2) evolução do Índice de Desenvolvimento Humano; 3) o imigrante na formação do Brasil Contemporâneo; 4) os fluxos migratórios internos; 5) as novas fronteiras populacionais; 6)  os movimentos emigratórios no Brasil. 2. A questão regional no Brasil a. A regionalização do país. b. O planejamento regional no Brasil. c. As desigualdades regionais. d. A geopolítica amazônica. 3. O espaço natural brasileiro – Seu aproveitamento econômico e o meio ambiente. a. Aspectos morfoclimáticos do território brasileiro, as bases geológicas do Brasil, as feições e as classificações do relevo brasileiro. b. Aspectos biogeográficos do território brasileiro. c. A dinâmica climática no Brasil. d. Os recursos minerais. e. As fontes de energia e as políticas energéticas. f. A biosfera e os ecossistemas no Brasil. g. Questão ambiental no território brasileiro.

BIBLIOGRAFIA
AB ́SABER, Aziz. Os domínios de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
COELHO, Marcos de A.; TERRA, Lygia. Geografia do Brasil. 5. ed. reform. e atual. São Paulo: Moderna, 2002.
CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1995.
FERREIRA, Graça M. L. Atlas Geográfico: Espaço Mundial. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2003.
MENDONÇA, F; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de textos, 2007.
ROSS, J. L. S. (Org.). Geografia do Brasil. Didática 3. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.
SAMPAIO, Fernando dos Santos; SUCENA, Ivone Silveira. Geografia: ensino médio. São Paulo: Edições SM, 2010.
SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. 5. ed. São Paulo: EDUSP, 2005.
SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria L. O Brasil: Território e Sociedade no Início do Século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.
SENE, Eustáquio de. Geografia Geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. 2. ed. atual. São Paulo: Scipione, 2002.

4) Língua Inglesa OU Espanhola (7 questões)
a) Língua Inglesa
1. Pronouns: subject, object, possessive, interrogative, demonstrative, indefinite. 2. Verb tenses: simple present, simple past (regular and irregular verbs), present continuous, past continuous and future (will and going to), present perfect, past perfect. 3. Modals: can, could, will, would, should and must. 4. Adjectives: comparative and superlative forms. 5. Adverbs: time, position of adverbs, manner and frequency. 6. Prepositions: time, place and location. 7. Articles: definite and indefinite. 8. Quantifiers: many, much, (a) few, (a) little, a lot and some, any. 9. Sentences: affirmative, negative and interrogative. 10. Coordination and subordination. 11. Reading comprehension. 12. Relative clauses.

BIBLIOGRAFIA
COLLINS, Cobuild. English Grammar. Glasgow: Harper Collins Publisher, 2006.
MURPHY, R. Essential grammar in use. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.
SWAN, M.; WALTER, C. The good grammar book. Oxford: Oxford University Press, 2001.
VINCE, Michael. Essential Language Practice. [S.l.]: Macmillan, 2000.

b) Língua Espanhola
1. Lectura comprensión e interpretación textual. 2. Estudo Gramatical. 3. Acentuación / Ortografia. a. Artículos determinados (contracciones AL y DEL) e indeterminados. b. El artículo Neutro – Lo y su uso. c. Reglas de eufonía del artículo definido. d. Numerales: cardinales y ordinales. e. Sustantivos: género, número, grado. f. Adjetivos: género, número, grado. g. Pronombres: personales sujetos. 1) Los pronombres personales complementos del Objeto Directo y del Objeto Indirecto. 2) El tratamiento: situaciones de uso. Voseo. 3) Los determinativos: demostrativos, posesivos e indefinidos. h. Los relativos e interrogativos. i. Preposiciones. j. Conjunciones. k. Empleo de y / e; o / u. l. Adverbios. m. Empleo de Muy y Mucho. l. Verbos regulares e irregulares: tiempos simples y compuestos. n. Fonética básica. o. Oraciones simples y compuestas y sus elementos sintácticos. p. Vocabulario básico. q. Sinonímia y antonímia. r. Semántica: divergencias léxicas entre el portugués y el español. s. Lectura e interpretación de imágenes.

BIBLIOGRAFIA
BON, Francisco Mate. Gramática comunicativa del Español. 22. edición. Edelsa, Madrid: [s.n.], 1998.
TOMO I y II. DICCIONARIO DELA REAL ACADEMIA – 22. edición.
FERNÁNDEZ Díaz, R. Prácticas de fonética española para hablantes de portugués: nivel inicial – intermedio. Madrid: Arco/Libros.
GÓMEZ TORREGO, L. Gramática Didáctica del Español. Madrid: Ed. SM, 2007.
LAROUSSE. Diccionario práctico bilingüe: español/portugués. São Paulo: Ed. Michaelis Larousse, 2000.
MILANI, E. M. Gramática de espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2006.
MORENO. C.; GRETEL, Eres Fernández. Gramática Contrastiva del Español para Brasileños. SGEL, Madrid, 2007.
SEÑAS. Diccionario para la Enseñanza de la Lengua Española para Brasileños. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2000.
ZAPATEROCIRERA, Mariano. Diccionario de Sinónimos y Antónimos de la Lengua Española. [S.l.]: Verón Editores, 1995.
González Hermoso, A. Gramática de español lengua extranjera. Madrid: Ed. Edelsa, 2000.
Fanjul, Adrián. Gramática y práctica de español para brasileños. Madrid: Ed. Santillana, 2005.

5) Conhecimentos Específicos (40 questões)
1. Fundamentos do campo da comunicação. a. Teorias e história da comunicação. b. Novas tecnologias da informação e da comunicação. c. Metodologia e pesquisa em comunicação. d. Ética e Deontologia da comunicação. 2. Fundamentos e pesquisa em jornalismo. a. Teorias e História do Jornalismo. b. Jornalismo impresso, eletrônico e digital. c. Estudos de  recepção, mídia e discurso. d. Legislação e ética do jornalismo. 3. Jornalismo: Linguagem, meios e modalidades. a. Estrutura da Notícia, Gêneros e Critérios de Noticiabilidade. b. Redação, Edição e Rotinas Produtivas. c. Assessoria de Imprensa e Divulgação Jornalística. d. Jornalismo Digital e Redes Sociais. 4. Fundamentos da área de relações públicas. a. História, teorias e conceitos de relações públicas. b. Planejamento, Avaliação e Mensuração: Técnicas e Ferramentas. c. Legislação e ética das relações públicas. d. Assessorias de Comunicação e Relações Públicas. e. Normas do Cerimonial Público e a Ordem de Precedência. 5. Tópicos especiais em comunicação. a. Imagem, identidade e ética empresarial. b. Opinião pública. c. Comunicação pública e responsabilidade social. d. Gerenciamento de crises e de questões públicas. e. Cultura organizacional. f. Ouvidoria.

BIBLIOGRAFIA
ANDRADE, Cândido Teobaldo. Psicossociologia das Relações Públicas. São Paulo: Loyola, 1989.
BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional: o treinamento de recursos humanos como rito de passagem. São Leopoldo, RS: UNISINOS, 2000.
BARBOSA FILHO, André. Gêneros radiofônicos: os formatos e os programas em áudio. São Paulo: Paulinas, 2003.
BARROS FILHO, C. de. (Org.). Ética e comunicação organizacional. São Paulo: Paulus, 2007.
BRASIL. Decreto nº 70.274, de 09 de março de 1972. Aprova as Normas de Cerimonial Público e a ordem geral de precedência.
CASTELLS, Manuel.  A sociedade em rede. V – I: A era da informação: economia, sociedade e cultura. O poder da identidade. V – II: A era da informação: economia, sociedade e cultura. Fim de milênio. V – III: A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
______. A galáxia da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.
CESAR, Mônica de Jesus. Empresa cidadã: uma estratégia de hegemonia. São Paulo. Cotez, 2008.
CESCA, Cleuza Gertrude Gimenes. Organização de eventos: manual para planejamento e execução. São Paulo: Summus, 1997.
COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural: leituras de análise dos meios de comunicação na sociedade contemporânea e das manifestações da opinião pública, propaganda e cultura de massa nessa sociedade. 5. ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 1987.
CONFERP – Conselho Federal de Relações Públicas. Resolução Normativa nº43, de 24 de agosto de 2002.
CONFERP – Conselho Federal de Relações Públicas. Código de Ética Profissional dos Profissionais de Relações Públicas. Agosto 2001.
COSTELLA, Antônio F. Legislação da comunicação social. Campos do Jordão, SP: Editora Mantiqueira, 2002.
DOWBOR, Ladislau; IANNI, Octávio; RESENDE, Paulo – Edgar A.; SILVA, Hélio. Desafios da comunicação. (Orgs.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
DUARTE, Jorge (Org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
______. (Org.) Comunicação pública. Estado, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2009.
DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.
FARIAS, Luiz Alberto de. (Org.). Relações públicas estratégicas. Técnicas, conceitos e instrumentos. São Paulo: Summus, 2011. FENAJ.
Manual nacional de assessoria de imprensa. Rio de Janeiro: CONJAI, 1994.
FORTES, Waldir Gutierrez. Relações Públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Summus, 2003.
FRANÇA, Fábio; LEITE, Gutemberg. A comunicação como estratégia de recursos humanos. Rio de Janeiro: QualityMark, 2007.
GOMES, Wilson; MAIA, Rousiley C. M. Comunicação e democracia: problemas e perspectivas. São Paulo: Paulus, 2008.
GRUNIG, James E; FERRARI, Maria Aparecida; FRANÇA, Fábio. Relações Públicas: teoria, contextos e relacionamentos. São Paulo: Difusão Editora, 2009.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. (Org.). Relações Públicas: história, teorias e estratégias nas organizações contemporâneas. São Paulo: Saraiva, 2009.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Comunicação Organizacional. (Org.). v. 1. História, Fundamentos e processos. São Paulo: Saraiva, 2009.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. (Org.). Comunicação Organizacional. v. 2. Linguagem, gestão e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2009.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. Edição revista, ampliada e atualizada. São Paulo: Summus, 2003.
LAGE, Nilson. Teoria e técnica do texto jornalístico. Rio de Janeiro: Elsevier, Campus, 2005.
LITTLEJOHN, Stephen W. Fundamentos teóricos da comunicação humana. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.
MATTELART, Armand. A globalização da comunicação. Bauru, SP: Edusc, 2000.
MATTELART, Armand; MATTELART, Michèle. Histórias das teorias da comunicação. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2000.
MOURA, Cláudia Peixoto; FOSSATI, Nelson Costa. Práticas Acadêmicas em Relações Públicas: processos, pesquisas, aplicações. Porto Alegre: Sulina, 2011.
NEVES, Roberto de Castro. Comunicação empresarial integrada. Como gerenciar: imagem, questões públicas, comunicação simbólica, crises empresariais. Rio de Janeiro: Mauad, 2000.
NUCCI, Celso. (Org.). Manual de jornalismo da Radiobrás. Brasília, DF: Senado Federal, 2006.
PATERNOSTRO, Vera Ísis. O texto na TV: manual de telejornalismo. São Paulo: Brasiliense, 1999.
RECUERO, Raquel. Redes sociais na Internet. POA: Sulina, 2010.
SAAD, Beth. Estratégias para a mídia digital. Internet, informação e comunicação. São Paulo: Senac, 2003.
SIMÕES, Roberto Porto. Relações públicas: função política. 3. ed. São Paulo: Summus, 1995.
SODRÉ, Nelson Werneck. A história da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.
SOUSA, Jorge Pedro. Teorias da notícia e do jornalismo. Chapecó: Argos, 2002.
SOUSA, Mário Wilton de. (Org.). Recepção mediática e espaço público: Novos olhares. São Paulo: Paulinas, 2006.
TRAQUINA, Nelson. (Org.). Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1993.
TRINTA, Aluízio Ramos; POLISTCHUK, Ilana. Teorias da comunicação. O pensamento e a prática da Comunicação Social. Rio de Janeiro: Campus; Elsevier, 2003.
VISMONA, Edson. (Org.). A ouvidoria brasileira: dez anos da Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman, 2005.
WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. Tradução de Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
YANAZE, Mitsuru. Gestão de marketing e comunicação. Avanços e aplicações. São Paulo: Saraiva, 2007.

LEIA O EDITAL COMPLETO

Anúncios

30 opiniões sobre “Duas vagas para comunicação social no Exército”

      1. É uma pena que o site esteja desatualizado… Mas dei uma passada hoje e lá nas “perguntas frequentes”, uma resposta explica que a carreira se inicia no posto de 1o. Tenente e vai até Coronel. Essa melhoria é recente, deste ano, e talvez eles não tenham se atentado a esse detalhe. 🙂

    1. As informações estão todas juntas, Anaclara! Aparece assim: CFO/QC/Farm e Odonto, mas tudo referente a esse concurso é o CFO/QC (Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar). De toda forma, aqui no blog tem o link do edital com todas as informações.

    1. Todo concurso precisa ter o curso superior completo, Ricardo. A menos seleções para estágio, o que não é o caso desse concurso!

  1. Oi Mariana, obrigada por todas essas informações! Tenho uma dúvida, durante esses 8 meses de curso em Salvador, tem uma ajuda de custo? Será que o candidato já estar recebendo o salário ou terá que bancar os custos? Até logo!

    1. Já recebe o salário! Os gastos serão apenas com o deslocamento até Salvador e a hospedagem até começar o dia do curso (depois tem alojamento lá).

  2. Mariana, eu tenho problema de vista.. miopia e astigmatismo, será que tem problema de ser reprovada nos exames devido isso?

    1. Olha, acho que depende do grau. Eu também tenho problema de visão (miopia e astigmatismo), mas não fui reprovada, mas teve gente que foi reprovada por conta disso…

      1. Qual é o seu grau… o meu é 2,5 de miopia e 1,5 de astigmatismo. Será que eles vão considerar alto? rsrsrs

      2. O meu é mais ou menos isso, mas não sei bem como é a avaliação para saber essa questão, acho que não tem a ver só com o valor do grau…

  3. O concurso é para apenas Jornalismo, ou qualquer uma das Habilitações de Comunicação Social, como publicidade e propaganda por exemplo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s