Conferindo o gaba do BNDES

Coraçõezinhos apreensivos? A Cesgranrio acaba de disponibilizar o gabarito das provas objetivas o os cadernos de prova do concurso do BNDES.

Vamos a minha coferência:

LÍNGUA PORTUGUESA
Errei duas. Pior que eu tô vendo aqui que uma delas foi por pura fala de atenção, pois tinha um EXCETO que acabei nem me ligando devido ao cansaço da prova!!!

INGLÊS
Estou muito, muito, muito feliz porque consegui acertar todas as questões!!! Sei que a prova estava fácil, mas como tenho um pouco de dificuldade em inglês, isso pra mim é uma vitória!!!

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
Errei 9, sendo 4 das que valiam 1,5 e 5 das que valiam 2. Dei uma lida por cima e acho que dá para recorrer pelo menos daquela do nariz de cera. Desde quando nariz de cera é aceito em veículo???

No total fiz 82 pontos, talvez dê para ter a discursiva corrigida, mas com certeza não é o suficiente  para passar no concurso. Mais tarde analisarei a prova com calma e ver se dá realmente para entrar com algum recurso, pois o prazo é até quarta-feira.

Anúncios

191 opiniões sobre “Conferindo o gaba do BNDES”

    1. Oi Mariana, lembra de mim??? tava aqui na minha leitura de jornalismo e lembrei de ti! e ai? onde ficou na fab? esta gostando? conheceu a gloria, tem bastante contato com o povo de cecomsaer? sempre falo com eles, ainda tenho muitos amigos lá… ano passado me dediquei, fiquei em 22 no senado e 24 na cgu.. mas cansei… estou na ebc e estou engatinhando para ver se volto a estudar.. mas preguiça!!! rsrsrrsrsr e vc? quais sao os proximos concursos? srrsrsrs

      Bjos!

      1. Oi, Claudia! Nossa, você me ajudou muito naquela época, a gente fica muito ansioso com tanta novidade!!! Estou gostando do trabalho! Conheci a Glória, trabalhamos bem pertinho… E sempre tenho contato com o Cecomsaer, principalmente com o Humberto, você conhece?

        Sobre os estudos, sei que é difícil retomar o pique, também estou voltando aos pouquinhos, mas é importante não parar! Boa sorte e o que precisar, pode contar comigo! beijos!!!

  1. acho que vou recorrer da do nariz de cera também!! vc por acaso sabe qual foi a nota de corte para correção da discursiva no último concurso?

    1. Na verdade eles corrigiram as provas dos 660 primeiros colocados que precisariam ter acertado pelo menos 60% da prova objetiva.

      1. Obrigada! 🙂 E esse ano será a mesma coisa? Desculpe a pergunta, mas é que, como eles não divulgam quantas vagas são, fico sem saber qual será o número de correções.

  2. Empatei contigo em português em inglês. Concordo com a questão do nariz de cera, nunca ouvi falar que nariz de cera é tolerado com técnica, eu respondi a redação em escalada, que é a usada nas aberturas dos telejornais. Aquela sobre aquecimento global também achei a resposta estranha, pois não são CAUSADAS por questões ambientais, mas sim são consequências de atos humanos, que causam os danos ao meio ambiente.
    Outra que achei estranha foi aquela que fala da clínica que anuncia um método falso, e o que deveria ser feito para comunicar-se com os CLIENTES FIDELIZADOS, e o gabarito lista mala-direta e informe publicitário, que a meu ver impactaria o público em geral, e não esse tão específico. Enfim, que venham os próximos, pois esse não deu…

    1. Oi Giorgio e Mariana, tudo bem?

      Esse foi o primeiro concurso que fiz e cheguei aos 76 pontos. Sei que as chances são mínimas mas estou muito feliz por ter conseguido uma boa pontuação no primeiro concurso que faço.

      Com relação à questão 53, o texto pede “as peças mais indicadas para se chegar aos clientes fidelizados da clínica e para se fazer um desmentido público são, respectivamente”. Ou seja, respectivamente seriam clientes fidelizados (mala-direta) e desmentido público (informe publicitário).

      Uma que eu errei e até agora não entendi foi a 35 (nariz de cera, escalada, etc). Mas enfim… heheh abraços!

    2. Giorgio, as duas que eu errei nas especificas foram justamente essas duas. A do nariz de cera e das crises “ambientais”. Vamos entrar com recurso?

      1. Rodrigo, vou recorrer de ambas, mas cara, fica tranquilo: se vc só errou DUAS. tá dentro meu irmão!!

    3. Giorgio, eu vou entrar com recurso nessa das questões ambientais (concordo com você, e marquei “antropológicas”). Você vai entrar com recurso também? Não sei como funciona esse negócio de recurso, mas acho bom que mais gente faça o pedido de alteração…

      1. Tem que solicitar o recurso com algum embasameto teórico, caso contrário dificilmente a banca irá aceitar…

      2. Mariana, meu ponto não é que há teorias que dizem que essas crises ambientais são causadas pelo homem (ou não). Meu ponto é que, pela própria redação da questão, a única resposta possível é “antropológicas”. Não vejo necessidade de embasamento teórico.

      3. O que quis dizer é que normalmente a Cesgranrio só aceita um recurso se tiver base de algum autor falando sobre isso. Mas você pode tentar escrever, argumentando o que acha estar errado na questão, só não sei se eles aceitam, por ser uma banca bem exigente!

      4. Eu também marquei “antropológicas”, pois a questão perguntava o que causava a crise. Eu até tinha marcado “ambientais”, mas devido à questão perguntar o que causava a crise me fez mudar pra “antropológicas”, pois os exemplos citados dizem respeito a problemas decorrentes do uso excessivo dos recursos naturais pelo homem. Com relação à questão do nariz de cera, eu levei em consideração que aquelas aberturas de matérias das revistas em que se evidencia a descrição de um personagem ou de uma situação, por exemplo, pode ser considerado um nariz de cera (por mais pejorativo que o termo possa parecer). O que vocês acham?

      5. Mariana, me esqueci de que expliquei as razões para pedir recurso sobre a questão 50 no outro post sobre o concurso (o anterior a este). Talvez você não tenha lido. 🙂 Abraço.

    4. Concordo com você, vou recorrer porque também marquei a redação em escalada… Já a outra questão, observe o enunciado:

      “as peças mais indicadas para se chegar aos
      clientes fidelizados da clínica e para se fazer um desmentido público são, respectivamente”…

      ou seja, eles também queriam saber o que impactaria o público em geral…

      1. Concordo, agora vi que foi falta de atenção! Mas a do nariz de cera continuo achando estranha, porém como a Mari falou tem que ter embasamento teórico, e eu não tenho nenhum livro de jornalismo que endosse o uso de nariz de cera… Quanto àquela de questão ambiental, por estar mal redigida, vale tentar o recurso. Eu vou tentar.

    5. Acho que não está errado não. Uma mala direta não precisa, necessariamente, ser enviada aleatoriamente. E se existem clientes fidelizados, existe um cadastro com suas informações e, logicamente, com seus e-mails. Seria uma forma mais discreta de alertá-los para o problema. Já o informe publicitário seria feito em outra linguagem, direcionado para a massa, como é de praxe fazer em casos como este. Basta apenas lembrar de recals e outros erros. Bom, pra mim também não deu, mas eu fiz o concurso com o propósito de saber em que nível estou e fiquei feliz. Estou voltando de uma pausa que fiz para acompanhar o nascimento e crescimento do meu filho, período este no qual me desliguei de tudo. Fiquei feliz. Fiz 88,5. Passar eu não passo, mas estou feliz por que estou bem na fita 😀

      1. eu creio que você está na luta viu. A té agora a maior nota que eu vi foi 92

  3. Pelo que estudei nariz de cera é aceito em revistas semanais. Sabe quantos pontos o pessoal de 2011 fez pra ter a discursiva corrigida?

      1. realmente já ouvi falar disso do nariz de cera poder em revistas, mas nunca em jornais… de qualquer forma o meu recurso vai se basear no conceito de escalada, que é exclusivo de telejornalismo como tem em várias bibliografias…

  4. Eu fiz 84. Por que talvez dê para ter a prova corrigida, mari? Todas as pessoas que tiram a média têm a prova corrigida, não?

  5. Oi, Mariana, acho que fizemos prova na mesma sala lá na PUC. Vc estava na frente, certo? Fiquei sem graça de perguntar se vc era vc, hehe, pq cheguei atrasada e o climão de sala de concurso não é a das melhores…Enfim, tô nervosa pra corrigir o gabarito! Marquei muitas questões com dúvida, mas até o fim do dia faço essa correção e posto aqui. Acho que a briga por essa vaga vai ser boa, ponto a ponto mesmo. Vamos ver…Boa sorte!

    1. Você era uma alta de blusa azul? Era eu mesma que tava na sala, bem de frente para a mesa dos fiscais, devia ter falado comigo… Boa sorte! Beijos!!!

  6. Fiz 85 pontos.. sem chances de entrar nesse concurso..

    uma pena.. deixei 5,5 pontos de bobeira..
    acontece.. nao era o dia.

    1. pq se chances vc esta a 5 pontos da melhor nota que vi nos foruns. Com uma boa discursiva você estará lá dentro. :).

      Galera para mim acima de 80, ta na luta. acima de 85 é forte e acima de 90, ai filho ta bem perto viu.

  7. TV e Rádio aceito nariz de cera? Não! Revista o que acontece é um tipo de narativa diferenciada, mas daí a ser nariz de cera acho eu pelo menos achava que não!!!

      1. Alguém tem o Manual de Redação da Folha? Uma leitora comentou no Face que lá tinha condenando essa prática do nariz de cera, talvez dê argumentos para recorrer…

      2. Usa o Rabaça pra argumentar!!! Em casa vou fuçar meus livros pa tentar fazer o recurso também!

    1. Mari, o nariz de cera é possível em revistas sim, porque dependendo da matéria, tem uma pegada mais literária. A pergunta dizia que a prática era condenada em 2 meios e aceita em apenas um (revista). A prática é condenada no jornal e na tv… e não quer dizer que é regra, mas sim que é ACEITA. Pegue uma revista de turismo, por exemplo. Pode-se começar uma matéria com um nariz de cera, com uma historinha, antes de falar sobre o assunto em si…

      1. É que a expressão nariz de cera é usada de forma pejorativa e considerada diferente do jornalismo literário. Já a escalada é um formato aceito em apenas um dos veículos, a TV.

      2. Acho que eles estão considerando as chamadas de capa como uma forma de escalada. Se pensar bem, é a mesma coisa, uma forma de chamar a atenção para o conteúdo que será noticiado…

      3. Não, vocês estão errados, escalada também é usada e aceita em rádio. Tá no Manual de Radiojornalismo do Heródoto Barbeiro.

      4. Sim, Ju, a escalada é aceita em rádio e em TV. Mas dentre os veículos apresentados na questão (jornal, revista e TV), ele só seria aceito em um!

  8. Saudações pessoal! Segundo o gabarito oficial eu marquei 75,2 pontos. Porém eu fiquei com dúvida em algumas questões especialmente de matemática onde a resposta certa não corresponde com a divulgada no gabarito. Eis a questão:Multiplicando-se o maior número inteiro menor do que 8
    pelo menor número inteiro maior do que − 8, o resultado
    encontrado será
    (A) − 49 – GABARITO (7 x 7)
    (B) − 42
    (C) − 72
    (D) − 63 – RESPOSTA (7 x 9)
    (E) − 56

    Por favor, comentem.

    1. Oi, Joenl! Como o blog é mais voltado paa quem é da área de comunicação social, sugiro que você procure esses fóruns como o do Correioweb, onde será mais fácil encontrar outros candidatos da sua área para trocar uma ideia!

    2. Desculpa mari, mas vou fugir o tema e responder essa pergunta. Não sei está correto mais….
      menor número inteiro e não menor igual. Logo os números são 7 x -7. -49. dúvido que seja isso mas o que vale é tentar 😛

  9. Agora é boa pra frente.. continuar estudando e acumulando conhecimento pro próximo..

    Continue com este ótimo blog Mariana.. é 10!

  10. Claro que eu esqueci o Gabarito em casa (estou no escritório), então não sei dizer exatamente quantos pontos eu fiz.
    Com relação ao nariz de cera, vou discordar de vocês. Já trabalhei em revista e ele nem sempre é negativo. Ele é aceito sim, quando serve de um preâmbulo que ilustra um cenário antes de se introduzir um assunto.
    O nariz de cera costuma ser demonizado, razão pela qual fica essa impressão de que ele nunca deve ser usado. Mas é só pegar uma revista para ver que ele é muito utilizado sim. Acho que a banca está correta na questão.

    1. Oi Rodrigo!
      O lance é que, nos livros teóricos, de onde devemos tirar os conteúdos, o nariz de cera é sempre listado como algo a NÃO se fazer… Não é que não possa ser usado, mas os teóricos afirmam que deve ser evitado. Acho estranho usarem esse conceito em uma prova de concurso, e ainda por cima colocarem a escalada , um recurso legítimo de telejornalismo, na mesma questão. Parece que querem mais é fazer “pegadinha” do que avaliar o conteúdo do profissional.

      1. Não considero uma pegadinha. A própria polêmica criada aqui em torno do nariz de cera dá legitimidade à questão. Ele usa uma palavra forte (condenadas) para se referir ao nariz de cera. A escalada não é condenada em outros meios, apenas não é utilizada, pois é um recurso muito próprio da TV. O nariz de cera, por outro lado, é realmente condenado em outros veículos que não a revista.

    1. Ele pergunta “… o hífen NÃO deve ser empregado…”. Em mal-educado há hífen!!! Antiaéreo, assim como infraestrutura antes usavam hífen, mas com a nova regra (primeira palavra terminando com uma vogal e a segunda começando com outra vogal) não usa mais hífen! Acho que você se embananou pra entender a questão… =(

  11. Só vou conseguir analisar meu desempenho à noite (vou sofrer se ficar tentando refazer meu gabarito agora, além de perder muito tempo no trabalho), mas acho que, dependendo do desempenho na discursiva, quem fez 82, 83, 85 tem chances sim, basta ter um desempenho muito bom na discursiva.

  12. O Nariz de cera é aceito em Revista, mas também no Telejornalismo. Vamos puxar pela memória: quantos telejornais não apresentam reportagens especiais iniciadas com uma narrativa introdutória sem as características do lead? Muitas! Por outro lado, desconheço a utilização da redação em escalada para jornais e revistas. Alguém lembra de algum exemplo?
    Concluindo: recorrerei pela troca de gabarito.

      1. Também concordo. Será que o manual da redação de alguma revista não fala sobre isso?

    1. Saulo, eu concordo que se evita, no factual, em telejornais, mas sua utilização é recorrente e a banca não consegue comprovar em nenhum manual de telejornalismo a “condenação” da prática. Acho eu.

  13. Acho que na questão 35 é nariz de cera sim! a questão fala que a prática é condenada em dois dos véiculos citados e aceita em apenas um. nesse caso é a revista…

    1. Mas é isso que estamos comentado, Isabel, que a pática do nariz de cera seria condenada em todos os veículos (embora revistas usem). Já a escalada é texto usado em TV e não em revista e jornal.

      1. Eu concordo com a questão. A prática é condenada no jornalismo diário, porém é muito utilizada em revistas.

    1. O problema é que tem a opção “escalada” em uma das alternativas que estaria “mais certa” por ser aceita e usada sempre na televisão (um dos veículos citados na questão). Já o nariz de cera tem toda essa polêmica…

      1. Acredito que para “escalada” ser a resposta certa, a pergunta deveria ser: qual a técnica utilizada em apenas um dos meios e não nos outros? – e não falar sobre o fato de ela ser condenada ou não.

      2. Eles devem ter pensado isso na hora de fazer a questão… Não sei se o recurso será aceito, mas de toda forma acho válido tentar!

      3. Concordo em número e grau com Mari. Não vai mudar muito minha nota (85,5), mas de qualquer maneira vou tentar… De qualquer forma, pra ficar lá entre os 3 primeiros, tem que fazer pelo menos uns 90 pontos na objetiva…

      4. Eu concordo totalmente com a Laís. A resposta não poderia ser a da escalada, porque simplesmente a escalada é impraticável em jornais e revistas. Muito diferente de ser condenável.

      5. Não concordo. Percebo que as notas estão parecidas e o que decidirá será a prova escrita

  14. Oi Mari, muito bom o blog! Sempre acompanho.

    Em relação à classificação para a correção da segunda etapa, segue um trecho do edital:

    7.1.3 ‐ Após a 1ª Fase, os candidatos serão classificados por cargo/formação a partir do total de pontos obtidos, sendo eliminado o candidato que obtiver aproveitamento inferior a 60% (sessenta por cento) do total da pontuação do conjunto das provas objetivas. Será, ainda, eliminado, o candidato que não obtiver o mínimo de 3,0 (três) pontos na prova de Língua Estrangeira, de 10,0 (dez) pontos na prova de Língua Portuguesa e de 35,0 (trinta e cinco) pontos na prova de Conhecimentos Específicos.
    7.1.4 – Será considerado habilitado à 2ª Fase o candidato não enquadrado nos critérios de eliminação detalhados no subitem 7.1.3, e que esteja classificado entre os 650 (seiscentos e cinquenta) mais bem colocados, por formação,
    respeitados os empates na última posição.

    Então, pelo edital, não serão corrigidos 660 provas, mas, sim, todos aqueles que se adequarem aos itens acima.
    O que vocês acham?

    1. Serão corrigidas as provas dos 650 primeiros colocados (desculpem, eu tinha colocado 660) e que acertarem pelo menos 60% da primeira etapa. É isso que está dizendo nessas palavras do edital.

  15. Mas escalada é o formato de edição que usa o teaser como texto, não? Desculpe. só estou querendo ajudar. Fiz o concurso do BNDES tb, sou jornalista, com mais de 15 anos de tv. Mas de qualquer forma, boa sorte pra todos!!!

    1. Escalada é a abertura de um jornal, William Bonner e Patrícia Poeta falando as manchetes com as principais notícias no jornal, não?

  16. Sim,escalada é uma prática de TV. Seria bom consultar o Rabaça para verificar se pode em outra mídia. Entretanto, sabemos como a Cesgranrio é. E, realmente, a obviedade leva para a alternativa do nariz de cera.

  17. Também vou entrar com alguns recursos:

    33 – O Dicionário do Rabaça descreve a convergência de mídia como o “Uso de diferentes veículos como portas de entrada para a mesma base de conteúdos”. Nesse sentido, a letra B me parece correta.

    35 – Independentemente das discussões sobre o nariz de cera, a questão pede uma prática condenada em dois dos meios. Escalada só é usada em TV. Logo, serve como resposta.

    50 – Concordo com quem disse que a resposta deveria ser letra D, mas acho que temos que embasar o recurso.

    59 – Me parece subjetivo afirmar que os jogos de computadores são para a faixa etária abaixo dos 14 anos. De onde tiraram essa informação?

    1. Concordo com o recurso da questão 59. Não dá para afirmar que a expansão dos jogos no meio digital facilita acesso aos menores de 14 anos simplesmente porque não há uma evidência ou um dado de pesquisa que mostre que os jogos atingem em maior grau essa faixa etária.

    2. Concordo com você em todas. Vou entrar com recurso também. Só não sei como fazer hehehehe

      É meu primeiro concurso, mas vou descobrir.

      1. Simone, para fazer um recurso você precisa mostrar para a banca porque a questão deve ser anulada ou ter o gabarito alterado, mas fundamentando com as ideias de algum autor, de algum livro, alguma legislação… Caso contrário é difícil que a banca aceite, ainda mais sendo Cesgranrio. Boa sorte!

  18. Alguém sabe qual foi a menor nota de quem teve redação corrigida no último concurso? Esse foi pauleira, teve muitos inscritos, mas vocês não estão pessimistas demais achando que quem fez 85 pontos está fora?
    Fiquei até com alguma esperança quando vi que fiz 81,5; quando cheguei aqui murchei…

    1. Acho que não dá pra comparar muito com o concurso passado, porque esse ano as notas estão bem mais altas! Sei de muita gente que não postou aqui e tirou mais de 90!!!

      1. Maiana, inclui as notas lá no fórum, sem identificar as pessoas!! Bota só as iniciais e a cidade, só pra gente ter parâmetro!
        De qq maneira, é na discursiva que o bicho pega. Ano passado eu subi mais de 40 posições na discursiva, e minha nota foi só um pouco acima dos 30…

      2. Não sou eu que estou incluindo as notas lá no Fórum, aliás, nem a minha nota que está lá fui eu que botei! kkkkk!

      3. eu tava colocando váarias, mas aí cansei. rsrsrs
        é só chegar e colocar. ou vc não tá cadastrada?

      4. Na verdade, já estou atualizando e respondendo comentários aqui no blog, respondendo no Face… Não dá para eu atualizar mais um espaço… Deixo livre para as pessoas fazerem isso lá!

  19. O que vocês acharam da questão sobre marketing digital? O gabarito é B, eu marquei A, “destacar as ações on-line dos programas de marketing em geral”.

  20. Boa tarde,

    Escalada é uma atividade da TV, não existe em revista, jornal ou qualquer meio impresso. Errei a questão também e vou entrar com requerimento!! Espero que muitos entrem. A união faz a força!! 🙂

  21. A questão do nariz de cera eu entendi assim: ele pergunta qual é condenado, então você até pode fazer nariz de cera na tv ou jornal, mas é condenado (na revista não é condenado); já escalada não é que seja condenada em revista ou jornal, a escalada é um recurso só de televisão.
    Por isso a resposta certa é nariz de cera. Espero que tenha conseguido me fazer entender. Não sei se estou certa, mas foi assim que entendi e por isso marquei essa opção.

  22. Fiquei em dúvida sobre a questão 54. Ela não admitiria duas respostas: a A e a C? O fato de a imprensa só divulgar fatos extraordinários como acidentes e não o bom funcionamento dos aeroportos não significa que a assessoria seja ineficiente, mas também não significa que o valor-notícia primário do fato seja a orientação da assessoria de imprensa?

    1. Também fiquei nessa dúvida. Acho que a alternativa A realmente é a mais indicada, mas a C também não fica mto atrás não…

  23. Eu de novo, (risos)

    Fucei o site da Cesgranrio e não achei o campo “interposição de recursos”, que consta no edital… Alguém achou?

    Aliás, eu vi uma pessoa acima comentando a respeito da questão 50… Também errei esta e achei dúbia: marquei “questões governamentais” porque o enunciado dava a entender também que o problema podia se tratar de uma consequência da “virulência produtivista e consumista”, que são da esfera governamental.

    Estou procurando literatura especializada e vou embasar bem meus argumentos. Espero que todos que se sintam lesados pelas questões recorram.

    Jornalistas unidos jamais serão vencidos! (risos)

    1. Ivy,

      penso o mesmo que você, até porque as questões ambientais são bem mais restritivas do que as governamentais quando falamos de causas, não só do aquecimento global e insustentabilidade da Terra, mas da virulência produtivista e consumista. Tenho uma visão dessas causas muito mais MACRO do que micro. Ainda, pode-se falar que quando o autor menciona “o discurso neoliberal
      sustentava que pela via da desregulação da economia e do laissez-faire do mercado se viveria no melhor dos mundos” ele está inferindo justamente que a não atuação do Estado provocou esse cenário de crises.

      Enfim, recorrerei desta também! Boa sorte!

  24. Mariana, você lembra do peso de todos os assuntos?

    Estou me baseando aqui no edital de 2011, mas pelo visto é diferente.

    Queria saber o valor de todas as questões para poder calcular aqui com quando fiquei. :/

    1. Português e inglês vale 1,0, Específicas de 31 a 50 vale 1,5 e de 51 a 70 vale 2,0. Tem na capa na prova, basta baixar a prova no site da Cesgranrio.

  25. Nariz de Cera.
    Parágrafo introdutório em um texto que retarda a abordagem do assunto enfocado e tende à prolixidade. É o oposto do lead e totalmente desnecessário. Jornais de tv fazem isso, inclusive quando a primeira npoticia é relevante e nào pode ser dita junto com concorrentes. Ridiculo mas ela pode estar certa 😦

  26. Na 53 acho que não tem polêmica nenhuma.

    Na 50, falam sobre as crises serem causadas por QUESTÕES xxxx. Acho que não tem polêmica também. São questões ambientais.

    Na 35, falam em prática condenada em dois meios e aceita em apenas um. Redigir em forma de escalada nem sequer é uma prática em jornais e revistas. O nariz de cera, sim, é uma prática (notem que o enunciado fala em PRÁTICA). De fato essa prática é aceita e bastante utilizada em revistas, mas condenada em outros meios (os manuais da folha e do estadão, jornais, só comprovam isso).

    Claro, essa é apenas minha opinião.

  27. Depois de um longo e eterno dia de trabalho, eis que volto pra casa e confiro o gabarito. Estou longe de passar, mas melhor do que esperava, então estou satisfeito!
    Errei uma de português, uma de espanhol e dez específicas. Resultado total: 80,0.

  28. Adorei o blog. É possível fazer um recurso em grupo? Essa questão do nariz de cera é um absurdo. Nunca vi escalada em textos de revistas e jornais…

    Vou entrar com recurso nessa também.

    E na questão dos problemas ambientais. A questão induz ao erro, né? Porque o texto dá a entender que os problemas são causados pelos homens e a conclusão então não seria apenas “problemas” ambientais.

  29. Na minha opinião, a resposta é mesmo nariz de cera, prática condenada em Tv e jornal diário, mas aceita na revista semanal. A opção E está errada pois afirma que as matérias seriam redigidas em forma de escalada, o que seria impossível. Escalada não é forma de se escrever matéria, são apenas as “manchetes” do telejornal. Pelo menos foi assim que interpretei a questão, não sei se estou certa.
    Fiz 86 pontos
    18 em Português
    8 em Inglês
    35 em Comunicação

    1. Monise, eu concordo com vc nessa questão! Além disso, parece que o Nilson Lage fala isso em algum de seus livros, estamos checando pra confirmar (eu não tenho o livro, dependo de uma amiga).

    2. Pessoal, apesar de ser condenável em diversas editorias, o nariz de cera é usado em revistas E jornais, principalmente nas editorias de cultura, lazer, turismo, culinária, etc. Não precisa muito esforço pra colher exemplos na web. Eu mesmo achei diversos em uns 10 minutos de pesquisa (e no Estadão!). Logo, a única opção viável nessa questão é escalada, pois revistas e jornais não usam esse recurso em hipótese alguma.
      Mas venhamos e convenhamos que é uma questãozinha bem chinfrin, né?

      1. Giorgio, o que vale nas provas de concurso é a TEORIA, não a prática… E existe bibliografia que defende nariz de cera em revista…
        A teoria vale para todas as questões. Mesmo que a prática profissional seja diferente ou não pense dessa forma.

      2. Gente, o que está errado a respeito da escalada, é que escalada não é forma de se redigir matéria. Escalada não é matéria.

  30. Trabalho em revistas há mais de dez anos. Não tem jeito de aceitar nariz de cera em revista. Nariz de cera tem esse nome porque é algo que pode ser tirado e jogado fora por não servir para nada. Um abre mais leve, literário, cinematográfico ou seja lá como queiram chamar não é nariz de cera.

  31. Pessoal,
    em relação ao nariz de cera não há o muito o que se discutir, já que a própria questão diz ” prática condenável”. A escalada não é praticada em jornais e revistas ,sendo um recurso da tv, apenas.Então se não há prática, não há condenação.

    Já a questão 50, eu tb marquei”antropológicas”.
    Mas relendo aqui agora, vi que foi uma pegadinha das brabas. Vejam a pergunta:As CRISES mencionadas são causadas por questões:..
    A resposta está nas últimas linhas do texto.
    Na verdade, eles não pediram uma interpretação do texto como um todo,pediram apenas p interpretar essa parte das crises.. uma pena.
    Boa sorte a todos!

  32. Fiz 77,5. As perguntas de editoração me pegaram…
    Da última vez tive a segunda prova corrigida, dessa vez acho que nem isso. Mas fazia tempo que eu não prestava um concurso, então acho que foi um bom retorno.

    Curti o blog, já ta favoritado.

  33. Para ajudar no embasamento do recurso sobre nariz de cera (também vou entrar):

    “Nariz-de-cera: Parágrafo introdutório que retarda a entrada no assunto específico do texto. É sinal de prolixidade. Na Folha, evite em qualquer tipo de texto e não use em texto noticioso”. (Manual de Redação da Folha de S.Paulo)

  34. Fiz 76 pontos na objetiva. Se por acaso minha discursiva for corrigida e eu fizer 46, 47 pontos, tenho chance de ser chamado com 123 pontos no total?

    1. Depende da nota dos concorrentes… Mas de toda forma acho que quem tirou menos que 80 é quase impossível ter a prova corrigida, tendo em vista que muita gente está tirando em torno dos 90… De toda forma, boa sorte!

      1. Enre quase 7 mil, você acha impossível que 650 pessoas tenham tirado em torno dos 90?

      2. Para falar a verdade, a gente ta usando um ambiente fechado e capacitado, com pessoas que procuram informações especificas sobre concursos da área.

        Pessoas que realmente buscam as vagas.

        Por isso esse nível alto das notas.

        Aqui e no forum cw estão a nata, e sei disso pois os primeiros colocados do ano passado, participavam desse ambiente.

        Você me disse que achava alguém iria gabaritar e até agora nem um 95 apareceu.

        Ano passado apenas 1 passou de 95.
        Lembre-se ,aqui tem a elite, nosso resultados não devem ser generalizados.

      3. Sim, claro, mas acho que esse ano realmente as notas estão bem mais elevadas que o concurso anterior… Mas eu espero que eu esteja enganada, até porque eu quero ter a minha discursiva corrigida!

      4. Nem achei assim tao maiores, uns 5 pontos, ano passado com 70 era corrigido 😉 Se me lembro bem né

      5. O do ano passado os resultados foram bem colados um nos outros, com diversos empates… e no final das contas só chamaram 3 cristãos… Eu mesmo já passei por essa situação. Já fiquei em 4º lugar no concurso do BNDES de 2002, vi passarem dois anos e não fui convocado. Dá vontade de chorar…

      6. hj apareceu uma pessoa com 95, lá no fórum. este ano está realmente mais concorrido, mas é na discursiva que o bicho pega. eu sei de duas pessoas acima dos 90 com plenas condições de alcançarem notas altíssimas na discursiva. eu gostei bastante da minha, mas não sei se será suficiente para passar todos acima de mim (sonhar não custa rsrsrsrsrs).

      7. Acho que o que vai decidir mesmo é a discursiva. Fiz 91 pontos. Embora tenha feito toda a discursiva não acho que me saí muito bem. Foi meu primeiro concurso. Aliás quero registrar aqui o quanto esse blog foi importante. Estudei intensivamente com base na bibliografia compartilhada aqui e nas dicas da Mariana. Valeu!

      8. Que bom, Cássia! Sua nota na objetiva foi muito boa, ainda está no páreo! Boa sorte!!!

  35. Fiquei louca para saber quais são “as características” da publicidade comercial que cria e amplia mercados. Aliás, como sou jornalista e não publicitária, tive enorme dificuldade para sacar uma resposta razoável para essa questão. Alguém poderia indicar leitura sobre o assunto? Só por curiosidade…

    1. Erika, eu cursei duas habilitações, publicidade e jornalismo. Vou ser muito sincera, não tenho a menor noção do que eles querem com essa questão. O enunciado está muito mal escrito, parece que falta um pedaço. O que eu tentei imaginar foram campanhas para os dois cenários, quais mídias seriam usadas e se o conceito da marca seria mantido ou sofreria alguma mudança. Como não havia briefing do produto, citei exemplos do que poderia ser feito em cada situação. Mas, honestamente, estou muito curiosa para ver o padrão de resposta dessa questão. Dessa e da de comunicação multiplataforma. Acho que as duas vão ser decisivas.

      1. Meninas, eu respondi essa com base na teoria do marketing, usando o Kotler como endossamento teórico. Ele cita em Pricípios de Marketing as características de ampliação e criação de mercado. Concordo que o enunciado estava confuso, mas como minha base em marketing é mais forte do que em publicidade, me amparei no tio Kotler pra responder…

      2. Gente, isso é mkt, a pergunta deu uma volta em publicidade para falar de mkt… Luciana, vc foi a que fez 92 pontos, como tá no ranking do CW?

      3. Pois é, Giorgio, por o enunciado estar confuso eu fiz um mix das duas coisas, marketing com publicidade, por isso disse mais acima que escrevi um “sambalelê”. Tem que estudar muito marketing para as provas do BNDES, galera. É o perfil de candidato que eles querem.

      4. Eu não achei a questão confusa, achei pegadinha. A pergunta pede claramente para falar sobre criação e ampliação de mercado, conceitos de mkt. A publicidade foi só para introduzir o tema e ver se as pessoas sabiam do assunto ou não. Pelo menos no meu ponto de vista. 🙂

  36. Ah! E eu tbm não achei o campo para Interposição de Recursos de que fala o edital. Vcs acharam?

    “9.1.1 – Para recorrer, o candidato deverá encaminhar sua solicitação à FUNDAÇÃO CESGRANRIO, por meio do campo de Interposição de Recursos, na página referente a esta Seleção Pública no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (www.cesgranrio.org.br). Não serão aceitos recursos via postal, via correio eletrônico, via fax ou fora do prazo preestabelecido.”

  37. Recurso pronto! Além das citações teóricas às definições de nariz de cera que o classificam como uma prática a ser “evitada” e não “condenada” do Dicionário de Comunicação e dos Manuais de Redação da Folha e do Estado, peguei exemplos recentes de uso de nariz de cera na Folha, no Estadão, no Jornal Hoje e no Jornal Nacional.

    Acho que pode ser um bom caminho. É super fácil de achar. Apesar de obviamente ser menos recorrente que o lide factual, o nariz de cera está presente quase que diariamente também nesses veículos, especialmente nas editorias de Cultura e Esportes.

    1. Olha aqui um belíssimo exemplo de nariz de cera publicado no Estado de S. Paulo:
      “Às 7 horas de terça-feira, o tratorista Ezequiel P. parou a soma de dez, que fazia a pedido do médico, ali pelo número três. Anestesiado da cintura para baixo e sedado, ele estava adormecido, pronto para, ao longo dos 45 minutos seguintes, ter o quadril perfurado, parte da medula óssea (cerca de cem mililitros) extraída e processada no laboratório de terapia celular.”, usei no recurso. Quem quiser acessar:http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,rio-preto-pesquisa-celulas-tronco,316483,0.htm

    2. Evitada e condenada eu penso que seria “basicamente” o mesmo. A questão é, como foi dito anteriormente. Você pode fazer nariz de cera em todos, mas não é recomendado fazer em jornal diário e tv, já em revista mesmo semanal não tem problema. Já escalada não existe em jornal e revista, não é questão de proibir, ser evitado, condenado, não tem como fazer, é um recurso só de tv. Isso invalida a opção escalada.

  38. Estou pensando em entrar com recurso na questão 59. É de publicidade, talvez eu não tenha entendido por conta disso, mas olha o meu pensamento. Eles dão como certa a letra “c” (facilidade na comunicação com faixa etária abaixo dos 14 anos). Pra mim, ou é a letra “b” ou nenhuma. Pelo seguinte. Dizer que “os jogos de computador, sejam eles simples ou complexos, passaram a ocupar um espaço considerável da interne”” não quer dizer que esses jogadores tenham menos de 14 anos. Até mesmo pelo fato de dizerem “jogos simples ou complexos”, normalmente quem joga complexo não é criança, tem muito adulto que joga no computador. Então eu acho que esse fato pode tornar difícil saber a faixa etária de quem está jogando e aí adequar a publicidade a eles, e por isso a letra “b”. Faz algum sentido o que estou pensando? Será que cabe um recurso mesmo?

    1. Mais uma coisa que pensei sobre a questão. Mesmo que se alegue que jogos simples são jogados por menores de 14 anos e complexos por maiores, não tem como dizer se na prátoca é assim mesmo para dizer que tem facilidade na comunicação com menores de 14.

    2. Oi Jane, eu pensei da mesma forma, e também marquei a alternativa B. Mas não tenho nenhum apoio teórico para embasar o recurso….você acha que vale a pena tentar, mesmo assim?

      1. Oi Gabi, olha, eu nunca tinha entrado com recurso em nenhuma prova. Também não tenho nenhuma base teórica, eu tentei com esses argumentos, se não der em nada pelo menos tentei… Vai que eles aceitam!

    3. Pra mim essa é a questão mais “cenoção” da prova. No Fórum CW tem um pessoal dizendo que existe bibliografia que apóia essa questão. Eu não procurei, usei outros argumentos para entrar com recurso. Primeiro que não há uma contextualização. E não, não são só crianças que jogam games. Procurei pesquisas na internet com dados e citei sites de jogos online onde o publicitário pode comprar espaços, inclusive dentro dos próprios jogos. Vamos ver, já mandei meu pedido.

      1. eu também respondi a b, pois tem gente de todas as idades jogando games online. Considerei que isso dificulta identificar o público.

  39. Pessoal, entrei com recurso na questão 3, de Língua Portuguesa. Acredito que não havia alternativa correta. Pelo gabarito, seria a C. Mas para mim está claro que o termo ISSO, assinalado em negrito na frase, refere-se a “ganhar terreno” e não ao “processo de fortalecimento da visão inovadora”. Mais alguém teve problema com essa questão? Qual o opinião de vocês?

    1. Luciana, essa questão foi uma safadeza! Eu pensei exatamente como você e saí da prova com a certeza de que seria anulada. Só depois de ver o gabarito e ficar um tempo analisando a questão é que entendi: os referentes de todas as outras opções eram gramaticais, isto é, você conseguia identificar a palavra exata no texto. Só que na opção C o referente era semântico. O “processo de fortalecimento da visão inovadora” equivaleria semânticamente ao “ganhando terreno” – se está ganhando terreno é pq está se fortalecendo, certo?

      Repare que mais na frente na prova de português há outra questão em que todos os referêntes são semânticos (questão 17, se não me engano).

      Quando finanlmente entendi isso, desisti de entrar com recurso… mas fiquei morrendo de raiva, pois foi a única de PT que eu errei!

      1. Rai, agradeço a explicação. O que você falou faz sentido, mas ainda acho que esta é uma questão controversa. Por isso recorri. Essa também foi minha única questão errada em LP.

      2. Estou torcendo para eles aceitarem seu recurso!!! rsrsrs 🙂

        A propósito, Mariana, seu blog é muito bacana. Parabéns!!

  40. Pessoal, recursei contra 35. Segue minha linha de raciocínio para utilização de quem quiser. Só muda um pouquinho. A banca desconsidera recursos iguais

    “O gabarito apontado pela banca, qual seja, opção “B”, sustenta que a técnica jornalística “Nariz de cera” seria utilizada por um dos 3 meios de comunicação citados na questão, que podemos inferir tratarem-se de: jornal impresso, revista semanal e telejornal, e condenada pelos outros dois. Tal afirmativa nos permite, prontamente, apontar o jornal impresso como um dos veículos que condenam a utilização do “Nariz de cera”, uma vez que possuímos suporte nas teorias contemporâneas que estudam as técnicas jornalísticas e ainda sob a ótica dos manuais de redação dos principais jornais impressos que, expressamente, condenam a utilização de tal técnica de redação jornalística.
    De forma diversa, analisando os dois meios de comunicação restantes (telejornal e revista semanal), não se mostra possível apontar, em nenhum destes casos, a condenação à utilização do “Nariz de cera”. Podemos observar, no cotidiano das revistas semanais e dos telejornais, a larga utilização de tal técnica de redação. Diversas reportagens desses meios de comunicação recorrem, invariavelmente, ao “nariz de cera” para criar uma introdução leve, quase literária, desprovida dos elementos intrínsecos ao hard news, utilizando-se de elementos do novo jornalismo.
    Neste ponto, se faz relevante destacar que a assertiva defendida pela banca nos impõe o pressuposto de existência desta prática (nariz de cera) nos 3 meios de comunicação citados no enunciado. O simples encadeamento lógico nos assevera que, se uma prática é condenada em determinado meio, significa, necessariamente, que ela existe ou já existiu neste meio.
    Por fim, ainda buscando elementos que justifiquem a defendida existência de condenação da prática do nariz de cera para textos de revistas semanais e telejornais, destaco a inexistência de teorias, teses ou até mesmo registros de manuais de redação de revistas semanais ou telejornais condenando esta prática, o que esvazia de fundamento teórico a resposta sustentada pela banca.
    Isto posto, e em acordo com o entendimento da banca de que nenhuma outra alternativa colocada representa resposta a contento para o enunciado, reitero minha respeitosa solicitação de ANULAÇÃO da questão 35 da prova 7 – Comunicação Social – do Concurso com vistas à preenchimento de vagas de profissional básico do BNDES.

  41. Acabei de entrar com recurso fundamentado sobre a questão 50 (crises neoliberais governamentais) e vou entrar com outro a respeito da questão 59 (jogos na internet).

    Temos que protestar. Alguns enunciados das provas objetiva e discursiva estavam muito mal elaborados e confusos.

  42. Gente, sobre a 35: o que conta é a teoria, e não a prática. A banca só pode se basear em material científico.
    Ainda que haja esse livro do Lage dizendo que nariz-de-cera acontece em revistas, há diversas outras obras afirmando que o nariz de cera não é mais usado, que foi superado etc.

    Eu também errei essa questão. Se quisermos vislumbrar a possibilidade de uma anulação, é preciso encontrar material teórico que suporte a anulação.

    O que achei de mais consistente na diferença entre nariz de cera e abertura foi isso:

    “…há mil maneiras de abrir uma notícia. O importante é que a abertura seja criativa mas não empolada como o antigo “nariz de cera”, pois hoje o leitor não tem tempo a perder.” (CAMPOS, Pedro Cesar. “O Fato e a Notícia” in: ” Observatório da Imprensa”. Disponível em http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/showNews/da270320025.htm, acessado em 05 de março de 2013).

    1. A escalada é aceita somente na TV e não em revista e em jornal…Não sei de onde tiraram isso. Essa Cesgranrio tem cada questão absurda. Peguem o dicionário do Rabaça com o conceito de escalada e teremos um bom argumento.

  43. Oi pessoal, encontrei esse blog pesquisando sobre repercussão da prova no google. Bem, eu acabei de interpor dois recursos. O primeiro é sobre a questão 37 porque não entendo como a equipe de criação possa ter sido influenciada por uma pesquisa de resultado de vendas, feita obviamente depois da criação já realizada. Segue meu texto:

    A questão 37 aborda a relação entre uma pesquisa de aferição de resultado de vendas e a criação da campanha que lhe deu origem.
    É sabido que todas as etapas da atividade publicitária devem ser apoiadas em pesquisas, que orientam desde a abordagem, a linguagem e os veículos mais indicados à campanha até o controle de resultados e a eventual necessidade de ajustes. No caso específico da equipe de criação, as pesquisas que lhe subsidiam são todas feitas, obviamente, antes da efetiva criação do anúncio em si.
    A questão 37 se refere claramente a uma pesquisa de resultado de vendas, feita, portanto, depois da criação e da veiculação do anúncio nos veículos selecionados. Desta forma, a equipe de criação não poderia jamais ter sido influenciada por esta pesquisa, pois ela sequer existia quando a campanha foi criada.
    Não resta dúvida de que a alternativa ‘E’ está corretíssima ao afirmar que o “profissional da criação não é influenciado PELA pesquisa”. Essa resposta só poderia ser descartada se redigida como “…influenciado POR pesquisa (ou pesquisas)”. Aí sim teríamos uma assertiva falsa, o que não é o caso.
    Portanto, ainda que a opção B também esteja correta, como aponta o gabarito oficial, a alternativa E é inquestionavelmente certa, conforme exposto acima.
    Por ter então duas opções corretas, B e E, solicito à banca que a questão 37 seja anulada.

    1. O meu segundo recurso foi sobre a questão 51, pois acho que a alternativa B, que eles apontam como correta, tb tem fundamento em algumas teorias. é outra que considerei mal formulada e acho que deveria ser anulada. Meus argumentos foram:

      A questão 51, acerca do desenvolvimento das teorias contemporâneas da Comunicação, apresenta uma série de assertivas e pede que o candidato aponte a ‘falsa’, ou seja: aquela que não se relaciona a nenhum dos postulados teóricos contemporâneos.
      O gabarito oficial indica a alternativa ‘B’: “a influência das ligações entre a mídia e os governos e empresas que a financiam” –, mas essa sentença está relacionada a pelo menos três correntes teóricas da atualidade, quais sejam:
      – Teoria Organizacional: nesta corrente a empresa jornalística é vista como um negócio que deve ser lucrativo, com linha de produção bem definida e financiado por anúncios pagos. O conteúdo do jornal não deve desagradar os interesses de seus anunciantes, que muitas vezes são instituições governamentais (portanto, “ligação entre a mídia e empresas que a financiam”).
      – Teoria da Ação Política: apregoa que a mídia está a serviço do ‘stablishment’, sendo o jornalismo usado como instrumento de propaganda governamental para manter o poder nas mãos de quem o detém (portanto, “ligação entre a mídia e os governos”).
      – Teoria Estruturalista: as notícias são produtos construídos para manter a ideologia dominante. Ainda que o jornalista tenha razoável nível de consciência e autonomia sobre o processo de produção, isso nunca será suficiente para romper com as forças dominantes (novamente ligação entre mídia e governo).
      As alternativas ‘A’, ‘C’ e ‘E’ também apresentam afirmações defendidas pelas teorias de comunicação: A resposta ‘A’ se refere à Teoria Gnóstica, enquanto a ‘C’ e a ‘E’ abordam o Newsmaking.
      Somente a ‘D’, que diz “as formas narrativas utilizadas para redigir a notícia, como a técnica de pirâmide invertida”, não trata de nenhum postulado teórico. Este deveria ser o gabarito correto, pois lead não é um ‘pressuposto teórico’ e sim uma ‘técnica de redação’.
      A estrutura narrativa em pirâmide invertida (lead) foi criada nos EUA, no início do século XX, quando os estudos de jornalismo começaram a se consolidar, para padronizar a produção dos textos. O lead (ou lide) – e também a apuração de ambos os lados da notícia e a lei das três fontes – hoje é aceito pelas mais diversas correntes teóricas, por mais antagônicas que sejam. Nem mesmo as teorias que pregam o amplo deslocamento do jornalista, como a Teoria Etnocentrista, refere-se o lide. Isso mostra que ele realmente não é uma hipótese teórica. Não se discute o lide nessas teorias simplesmente porque ele não é um elemento de teoria analítica. Não existe uma corrente teoria sequer que tenha produzido um pensamento crítico consistente de ‘defesa’ ou ‘ataque’ ao lide. Qual? Pelo contrário: por proporcionar leitura direta e entendimento fácil, por se adaptar aos mais diversos temas (editorias), teóricos da comunicação e jornais de esquerda, de direita, centro, de países comunistas, especializados ou não, até mesmo publicações anarquistas usam o lide sem questioná-lo ou produzir sobre ele um pensamento crítico mais consistente.
      A redação da pirâmide invertida é praticamente uma unanimidade técnica e nada tem de teórica. Lide, nariz de cera e new journalism são apenas exemplos de técnicas de redação. Por essa razão, a melhor resposta para a questão 51 é a alternativa D por não se referir a um postulado ‘teórico’ e sim ‘técnico’. Sendo assim, solicito à banca a revisão do gabarito, instituindo como correta a alternativa D.

      1. Mesmo sem lembrar de todas essas teorias, eu marquei a mesma que vc, tive o mesmo raciocínio! Mas não tinha o embasamento teórico exato para entrar com recurso, então deixei pra lá. Se o gabarito mudar, ficarei muito feliz, mas dizem que a Cesgranrio é chata com isso. hehehe

      2. Eu prefiro que mudem o gabarito. Anulação beneficia a todos. Já a mudança de gabarito, vai beneficiar quem marcou a resposta D, ou seja, eu! hehehehe

      3. Bela argumentação. Também achei essa questão muito mal formulado, mas não entrei com recurso, pois não me senti segura para argumentar.

  44. Olá Mariana, aqui é Bruno Bastos, seu “conhecido” de concursos aqui de Recife. Vim perguntar se você vai querer receber aquele texto que eu te prometi há algum tempo sobre o primeiro concurso em que eu passei.

    Sobre esta prova do BNDES, acho uma crueldade pedirem questões de marketing nas discursivas. Tirei 89,5 na objetivo, mas acho que me ferro por causa do tal conceito de valor que eu até hoje não sei o que é.

    Abraços e boa sorte a todos.

  45. Se metade dos recursos forem acatados, a classificação vai mudar totalmente, rs.
    Eu entrei com recurso somente na questão dos jogos online.

    1. Nós entramos com recurso porque temos que tentar e porque é nosso direito, mas normalmente não é tão fácil de aceitarem…

  46. A gente soh vai saber se nossa prova discursiva quando sairem as notas? eles nao divulgam antes quem ficou entre os 650, ne?

    1. Não dá pra saber antes. Dia 09 de abril sai o resultado da objetiva e a pessoa já saberá se estava entre os 650 e se sua prova foi corrigida…

  47. Oi Mariana, você tem a prova objetiva em pdf?
    Pode disponilizar aqui no blog?

    Fui ao site da Cesgranrio mas só consegui baixar a prova subjetiva e o gabarito da objetiva.

    Não fiz o concurso mas estou curiosa pra saber como foi a prova!

    🙂

  48. Em que parte do edital descreve as matérias espécifica cita os assuntos que foram obordados nas questões 49 e 50?

    Não fiz o concurso, mas estou fazendo a prova agora, não entendi porque elas estão na parte específica da prova.

    Alguém pode explicar? #)

    1. Boa pergunta! Mas acho que não, pois ainda vai ter o recurso da discursiva e o resultado final sai só dia 12 de junho!

  49. Pessoal, tem algum ranking sendo feito? Me disseram sobre um ranking no Forum CW, mas acho que ele foi apagado, nao consigo encontrar…
    Mariana, como voce acha que o pessoal foi na prova discursiva – aqueles que tiveram acima de 90 pontos nas objetivas…?
    Abraco!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s