Recursos para a prova dos Correios

Pessoal, isso aqui tá bombando! Fico feliz em ver tantas pessoas participando com comentários, dúvidas, trocando informações sobre essa prova dos Correios!

Bem, pelo que deu para ver, a prova da Cespe vai muito da interpretação de cada candidato, ou melhor, se a gente concorda ou não com a interpretação de quem fez a questão! Então vamos tentar organizar que questões vocês acham que dá para entrar com recursos.

É claro que cada um só vai entrar com recursos daquelas questões que errou, né? Mas se cada um dá os seus argumentos, pode ajudar o outro que também errou a mesma questão.

Fui lendo tudo o que vocês colocaram por aqui e vi que algumas questões que errei não sei se vale muito entrar com recurso devido a essa questão da interpretação. Até agora, a única questão que me sinto com bases suficientes para recorrer é 40, da prova de inglês:

40 – “same tasks, same pay” não dá para ser a principal ideia do texto, pois no próprio texto diz “In industrialized countries where large numbers of women work, it still happens that men earn two or three times as much for doing the same job.” Ou seja, os homens ganham duas ou três vezes mais que as mulheres no mesmo emprego.

A 50, da prova de adiministração pública, fui consultar o Estatuto dos Correios e vi que teve um novo texto aprovado em 16 de maio. Nele, sai o texto “para  a realização de seu objeto…” no Art. 6º e diz, no Art. 7o,  que “Constituem recursos da ECT receitas decorrentes de: I – prestação de serviços”. O artigo traz ainda os outros recursos da ECT. Nesse caso, acho que o item está mesmo errado. Se bem que o texto foi aprovado após a data da prova, né? Hum, vou repensar se dá para recorrer nessa questão!

A 89, da Charge, vocês conseguiram me convecer que está realmente errada.

As outras que errei de específicas, não consegui achar nenhum embasamento teórico para realmente contestar. Também estou com a cabeça meio cansada dessa prova!

Até amanhã vou decidir se entro com mais algum recurso. Tem que correr, pois o prazo acaba às 18 horas da sexta-feira!

E vocês, já definiram a quais questões vão realmente concorrer? E que argumentos pretendem apresentar?

Ah, quem quiser dicas de como elaborar os recursos, dá uma lida nesse post que fiz recentemente.

Anúncios

72 comentários em “Recursos para a prova dos Correios”

  1. Também fico feliz com as discussões bombando assim! Mandei um monte de gente pra cá lá no twitter! rs Quando tento mandar o argumento do recurso o site da Cespe está dizendo “Dados de cadeia ou binários seriam truncados. A instrução foi finalizada.” O que será isso? O que achou dos ítens que eu vou entrar com recurso? O 51 e 81 que falei no outro post.

    1. A 51 acertei e a 81 deixei em branco.

      Sobre a mensagem da Cespe, deve estar com algum erro pela quantidade de acessos. Desse Print Screen na tela? quando acontece esses erros é a melhor coisa a se fazer, só assim você tem como confirmar que tentou fazer a inscrição e apareceu essa mensagem.

      Vou deixar para fazer meu recurso amanhã. O juízo tá cansado com essa prova!

  2. Olá, bom quanto a questão 50 no estatuto do correio Capitulo IV acerca dos Recursos, confere com a resposta do gabarito. (E)
    Na da Charge, questão 89, ela é uma piada gráfica que serve para “satirizar”.
    Portanto não cabe recursos nestas.
    Eu ainda estou meio em dúvida com a da Crase a número 8, pois crase em subst feminino indefinido não vai crase.
    E a número 2 texto essencialmente informativo… para mim aquilo era um artigo.
    Abraços

    1. Denise, você está fazendo confusão: não ocorre crase diante de PRONOMES indefinidos, nem de PRONOMES pessoais (sejam femininos ou masculinos). Os substantivos femininos pedem o artigo a e quando o termo antecedente pede a preposição a ocorre a fusão destes originando a crase.

      Essa questão, na verdade, é de regência. O verbo sujeitar pede preposição, pois é bitransitivo. Alguém está sujeito A algo. O fato de não haver a crase na frase original se deve a opção do autor de não colocar o artigo a diante do substantivo feminino residência.

      Sendo assim, no caso do emprego do sinal indicativo da crase o artigo a estaria sendo colocado diante do substantivo feminino para a ocorrência da crase, mantendo-se a correção gramatical do texto.

  3. Fiz o que você falou, dei Print Screen, mas enfim… o site não tá indo de jeito nenhum.
    Vou fazer da questão 87 que fala do rafe, que é o boneco. O uso de software de editoração eletrônica não elimina a necessidade do rafe, pois este pode ser impresso para a verificação de erros de digitação, etc. Além disso, em criação publicitária o rafe é considerado essencial para que o criador não fique preso às ferramentas que conhece no software, o que limita a criatividade na criação da peça.

    1. Essa também deixei em branco porque não sabia o que era “rafe”.

      Sobre o recurso, manda um e-mail para a Cespe e anexa a cópia da página, para eles saberem do erro. Vou tentar entrar com meu recurso hoje à noite.

      Bjs

    2. Concordo com vc, Michele. Claro que o uso do software não elimina a necessidade de rafe, o Cespe enlouqueceu!

    3. Gente, espero que mudem msm o gabarito, para mim, pessoalmente, o uso do software não elimina nunca a necessidade do rafe e tal. Mas, meu amigo que trabalha no Correio Braziliense, daqui de BSB, falou que dps de umas mudanças gráficas que rolaram no jornal, o rafe no papel acabou total msmo, td no computador, direto no computador! Vou ver com o pessoal da Folha de S. Paulo como é.

  4. O Estatuto que deve ser considerado é o da época do edital. Se o Estatuto mudou após o edital, essa mudança não pode ser considerada. Vou fazer recurso dessa.

  5. Nas básicas, entrei com recurso na de empresa pública (com transcrição do inciso XIX do artigo 37 da constituição dá pra provar que ela estava errada), a 28 de informática (também comprovada em livro) e 50 (o estatuto em vigor na época do edital comprova a questão, é só transcrevê-lo). Das específicas entrei na 112 ( o código de ética não fala de inclusão digital, e sim do acesso à informação e este, não necessariamente, se faz através de inclusão digital), 80 (a da sala virtual. Embasei meu recurso nas características do jornalismo digital, que requer atualização frequente, o que implica na quantidade de textos na sala virtual).

    1. Carol, concordo com vc sobre a questão da sala virtual de imprensa. Mas imagino que como o Cespe não falou em qualidade e enfatizou quantidade, deve vir daí o erro. Aff!

  6. Boa tarde a todos, eu prestei a prova para Analista de Sistemas – Suporte a Sistemas, mas acho que a questão 50 sobre a ECT na prova básica era igual a todos.

    50 “O capital social da ECT é constituído integralmente de
    recursos advindos da União: a receita proveniente da prestação
    de serviços destina-se à realização de seu objetivo principal.”

    Então o CAPITAL SOCIAL da ECT é constituído INTEGRALMENTE pela União, e os RECURSOS FINANCEIROS (utilizados para realizar o seu objetivo principal, que seria manter os serviços postais no País), decorrem das realizações de serviços em geral.

    Lembrando que CAPITAL SOCIAL é diferente de RECURSOS FINANCEIROS.

    Essas informações estão no Decreto Nº 7483 de 16 de maio de 2011 (porém elas já existiam nos decretos anteriores).

    Então, a questão está CORRETA!

    Se a questão 50 for diferente, desconsiderem o que eu escrevi =X

    (Sobre o capital social – Capítulo III – Art 6º)
    (Sobre os recursos financeiros – Capítulo IV – Art 7º)

    Até mais,
    Vitor Alavarce

  7. Olá, Mariana.
    Gostei muito do seu blog. Cheguei aqui via Google, atrás de comentários sobre a prova.
    Sou do RJ, mas fiz a prova para o ES. Fui meio mal: somei 58 pontos apenas. Pela minha experiência em provas desse tipo, é pouco (embora a gente sempre fique com esperança de que os outros – Deus que me perdoe! – possam ir pior do que a gente…). Também estou tentando fazer recursos, mas estava enfrentando o mesmo problema da Michele. Agora, pelo visto, o site caiu… Enfim, espero que ele volte ao ar e que possamos ter sucessos nos nossos recursos!

    1. Oi, Mara! Obrigada pela visita!

      Dê um Print Screen na tela de erro e tente entrar em contato com a Cespe. Temos que fazer isso para ficar respaldados. Acho que eles vão acabar ampliando o prazo, pois temos que lembrar que ná só a gente está entrando com recurso, mas todo munto que fez para os níveis médio e superior! O site deve não estar suportando!

  8. É gente, está difícil mesmo! Fiz isso que a Mariana recomendou. Enviei um e-mail para o SAC do Cespe relatando o problema na página e anexei o Print Screen da tela para comprovação.
    Estou tentando desde ontem à noite e até agora só consegui enviar 2 dos 5 recursos que pretendo fazer.

    O prazo de interposição de recursos foi prorrogado, mas apenas para os que fizeram a prova de Administração, pelos problemas no acesso ao gabarito. Se todos nós relatarmos o mesmo problema, a banca pode se render e aumentar o nosso prazo também, né… Não custa tentar!

    Fiz um post com os argumentos dos meus recursos lá no meu blog, se quiserem conferir deem uma olhada lá:
    http://materiaisparaconcurseirosjornalistas.blogspot.com/2011/05/pos-gabarito-recursos-ressaca-e-outros.html

    1. Tem que fazer isso mesmo, Michele! Se o site da Cespe está com problemas e os candidatos não conseguirem entrar com os recursos a tempo, eles têm que ampliar esse prazo! Vou tentar fazer o meu agora à noite!

      1. Consegui depois de inúmeras tentativas, mas queria fazer correção no texto de um deles e não estou conseguindo… aff #Cespefail! rs

      2. Gente, é só imprimir a págna dos rescursos e tá como feito? Não tem nenhum botão para clicar com “enviar” não? Achei estranho.

  9. Olá, Mariana. Parabéns pelo blog.

    Pelos mesmo motivos ditos nos comentários, consegui enviar para o Cespe apenas recurso de apenas 4 questões das 6 queformulei.
    Então aproveito para enviar o argumento das 2 questões que faltaram. Por não ter sido enviado para o cespe, o texto pode ser utilizado integralmente, claro que por apenas uma pessoa. percebi que a ordem das questões estão alteradas, por isso para facilitar seu entendimento de qual questão se trata, além do número coloquei o enunciado.

    116 – O jornalista que trabalha em assessoria de imprensa de determinada empresa pode optar, na produção da cobertura jornalística de um evento, por não ouvir todas as partes nele envolvidas. Por exemplo, se trabalha com uma mineradora, pode não ouvir a reclamação da comunidade sobre os supostos danos ambientais por ela causados. (o gabarito é CERTO)
    Argumento do recurso:
    O enunciado da questão está errado, pois vai de encontro ao que diz vários incisos do CEJB como por exemplo os seguintes:Art. 2ºIV – a prestação de informações pelas organizações públicas e privadas, incluindo as não-governamentais, deve ser considerada uma obrigação social; (e não uma opção como está dito na questão)
    Art. 7º O jornalista não pode: II – submeter-se a diretrizes contrárias à precisa apuração dos acontecimentos e à correta divulgação da informação;
    Além disso, o enunciado da questão pode ter sido baseado no Art. 12. O jornalista deve: I – ressalvadas as especificidades da assessoria de imprensa, ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, o maior número de pessoas e instituições envolvidas em uma cobertura jornalística, principalmente aquelas que são objeto de acusações não suficientemente demonstradas ou verificadas. No entanto, essas especifidades não podem ser entendidas como todo o trabalho de assessoria de imprensa, pois vai de encontro com a tradição de teóricos da comunicação organizacional no Brasil, que abordam a complexidade das organizações modernas e definem como uma das atribuições do assessor de imprensa encontrar a notícia institucional consultando várias fontes organizacionais, sempre em busca da informação correta e precisa. A assessoria de imprensa não pode ser eximida da responsabilidade pela investigação e apuração da informação veiculada, mesmo que em defesa de seu assessorado.
    O próprio CESPE em outras ocasiões já considerou essa responsabilidade do assessor como correta e necessária.
    O artigo 12 diz ainda: IV – informar claramente à sociedade quando suas matérias tiverem caráter publicitário ou decorrerem de patrocínios ou promoções.

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    119 – O jornalismo investigativo, frequentemente lança mão de expedientes como disfarces ou câmeras ocultas para obter informações de interesse público. A ética da profissão não condena esse tipo de procedimento, desde que os fins justifiquem os meios. (o gabarito é CERTO)
    Argumento do recurso:
    O enunciado da questão está errado, pois não leva em consideração a ressalva que faz o inciso III do artigo 11 do CEJB de que além dos fins justificarem os meios (incontestável interesse público), todas as outras possibilidades de apuração devem estar esgotadas.
    Art. 11. O jornalista não pode divulgar informações:
    III – obtidas de maneira inadequada, por exemplo, com o uso de identidades falsas, câmeras escondidas ou microfones ocultos, salvo em casos de incontestável interesse público e quando esgotadas todas as outras possibilidades de apuração;
    Ou seja, o uso da conjunção integrante e no texto do inciso obriga a ocorrência dos dois requisitos para a justificativa do uso de disfarces e câmeras ocultas e não apenas um deles.

    1. Olá, Mariana.

      Acabei de fazer o recurso das duas questões que faltavam. Pode usar os argumentos das mesmas (116 / 119) como parâmentro, mas não fazer igualzinho, tá!

      1. OK, Ana! Na verdade já tinha pensado em fazer isso mesmo, pois alguma outra pessoa podia ter copiado as questões, aí não queria correr o risco! Valeu pelas explicações!

      2. A 116 está certa e não cabe recurso. No CEJB fala

        “Art. 12. O jornalista deve:
        I – ressalvadas as especificidades da assessoria de imprensa, ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, o maior número de pessoas e instituições envolvidas em uma cobertura jornalística, principalmente aquelas que são objeto de acusações não suficientemente demonstradas ou verificadas;”

        RESSALVADAS AS ESPECIFIDADES DA ASSESSORIA é o que torna a questão correta. Tá claro no CEJB. E em duas provas antigas do CESPE cairam questões idênticas a esta. E em todas ele considerou isso que tá no CEJB.

        PS: pus em caps pq as aspas do teclado pararam de funcionar rs.

    2. Ana, errei essas duas questões e achei que não dava para recorrer. Mas vou utilizar esses seus argumentos para tentar elaborar os recursos. Isso é, se o site da Cespe deixar…

      1. Bom, na minha prova eram as questões 110 e 113 tbm.
        Ana Cláudia, a questão sobre o jornalista que trabalha em assessoria de imprensa eu não respondi, fiquei com medo de errar por conta do CEJB que conheço pouco.
        Mas, acredito que a questão está certa pq o trabalho de jornalista (de redação) é diferente do trabalho de assessor. O jornalista busca publicar tudo o que seja interessante, importante para o público. O assessor de imprensa não trabalha assim, pensa na empresa, enquanto o jornalista pensa no público. O jornalista deve ouvir o outro lado, o assessor não precisa. Enfim, é o que eu percebi, entendi da questão. De qq forma, super boa sorte com os recursos! Mari, muito boa essa discussão da prova, mas espero que não esteja te atrapalhando, afinal vc que tem que liberar os comentários e tudo mais.

      2. Fique tranquila, Nancyelle! Estou adorando a participação de vocês aqui, esse espaço é para isso mesmo! Fique à vontade sempre que quiser comentar, questionar, sugerir…

      3. Então! como disse no início, percibi que a ordem das questões foram trocadas, ou seja, existem diversas provas com as mesmas questões,mas com ordenamento diverso.

    3. A 119 tb não cabe recurso. E em outra prova do CESPE caiu uma questão quase idêntica tb!

      O CESPE não cobra conteúdo literal da lei, e sim interpretação da lei. E ele interpreta que “os fins, que no caso são fins públicos” justificam o uso de câmera escondida. Quem fez as provas antigas da banca não errou essa questão.

  10. Só mais uma coisa:
    consegui fazer meus recursos. Só que tive que reduzir muito o tamanho deles (escrevi por volta de seis linhas)! Acho que aquele problema surge por causa do tamanho. Mandei uma mensagem para lá reclamando. Tudo bem que precisamos ser concisos, mas seis linhas não dá nem para descrever a bibliografia em que nos baseamos para a argumentação…
    Ficamos em contato. Agora serei uma leitora frequente.

    1. Esse ai eu até pensei em fazer, mas tem prova de títulos também… Precisa comprovar o tempo de exercício da profissão e eu teria que pedir aos meus antigos patrões uma declaração e eles iriam embaçar e eu iria me desgastar porque saí de lá brigada, coloquei na justiça e tudo… aff rsrs

    1. Porque nem em todas as matérias é necessária a presença do repórter, a passagem. Já viu matérias em que só aparece a voz do repórter em off e as entrevistas? Então, o que está errado é a expressão “É NECESSÁRIA”.

      1. Essas palavrinhas chaves “necessária”, “somente”, “sempre”, “nunca”, todas cascas de banana e quase sempre pegadinhas que induzem ao erro.

      2. Oi gente, vou tentar participar mas tenho alguns probleminhas: Nessa questão por exemplo eu já li em alguns manuais de de tele que é isso mesmo, se não houver a imagem do repórter na matéria é Off, a definição é que muda. Se o repórter não aparece é um Off e não uma passagem ou Stand-Up, aqui eu acho que o examinador quis dar uma de esperto mas confundiu as coisas.

      3. Não entendi sua explicação, Rodrigo! Para mim, o erro está quando a questão diz que “É NECESSÁRIA” a passagem ou o stand-up em todas as matérias. Não é!

  11. Gente e a 14 de português, alguém pode me explicar de onde é que se infere que as pessoas passar despercebidas naquela bendita estrofe? Juro que não entendi! Queria entrar com recurso, mas nem argumento eu tenho pra isso… rs Alguém pode me ajudar?

    1. Mi (posso te achamar assim? A gente se fala por aqui todos os dias que já me sinto íntima!):

      Fiquei na dúvida cruel dessa questão, mas marquei certa pois quando diz, no texto, “ansioso por transmitir a outros sua fortuna” deduzi que as pessoas não conseguem perceber o que está acontecendo com aquela pessoa, que ela passa despercebida aos outros. Pode ser viagem minha, mas foi o argumento que usei para marcar como certa a questão.

      1. Eita, claro que pode me chamar de Mi, mas só se eu puder te chamar de Mari! rsrs

        Então, fiquei aqui matutando e pensei isso também, mas ainda assim é muito subjetivo, né? Jeito cespiano de interpretar, como sempre! rsrs

      2. Gente, sobre a questão 14, o que eu entendi (do jeito cespeano de interpretar) é que no cotidiano, ngm reparaem ngm, na vida urbana corrida, ngm olha ngm… na hra, pensei assim… não sei se é muita viagem minha…

  12. A QUESTÃO SOBRE REPORTAGEM DE JORNALISMO PARA TELEVISÃO, FALA DA PRESENÇA DO REPÓRTER NO VÍDEO EM PASSAGEM OU STAND-UP. A QUESTÃO ESTÁ CORRETA. Passagem: É o momento que o repórter aparece na matéria
    jornal.metodista.br/tele/manual/reportagem.htm
    Stand-up: Quando o repórter faz uma gravação no local do acontecimento para …
    jornal.metodista.br/tele/manual/glossario.htm
    No gabarito que conferi a questão acima aparece como ERRADA>> Não entendi..

    1. Adriano, o que está errado é que ele diz que “É NECESSÁRIA” a presença do repórter. Mas tem matérias em que aparecem apenas as imagnes, entrrevistas e a voz do repórter em off, ele não aparece no vídeo. Por isso a questão está errada.

      1. Bem o prazo terminou, mas a aexplicação é aseguinte:
        Se não aparece o reporter é um Texto em Off ou sonora, não há que se falar em Stand-up ou Passagem. Existe uma terminologia própria para quando o repórter não aparece.

      2. Oi, Rodrigo!

        O item diz “Na produção de reportagem de jornalismo para televisão, é necessária a presença de repórter enquadrado no vídeo em passagem ou em stand up”. O que eu entendo é que a banca afirma que em todas as matérias de TV ocorre o stand up. E isso não é verdade, por isso a questão está errada.

  13. Sobre esta questão da TV eu fiquei com uma dúvida tremenda. Este foi um dos últimos assuntos que havia estudado, estava bem fresco na memória. O erro está mesmo no que a Mariana falou. A questão abrange a produção de reportagem de jornalismo como um todo. E não é necessária a presença do repórter, por exemplo em nota pelada, esta pode apresentar apenas as imagens e a narração feita pelo próprio apresentador do jornal.
    O que confunde é que em passagem ou stand up o repórter deve estar enquadrado no vídeo, isto está correto. O problema é que nem toda reportagem de jornalismo produzida para a televisão tem necessidade de passagem ou stand up.

  14. Acabou o prazo para entrar com recurso… alguém entrou com a questão 119? pelo site estar com problemas, acabei deixando pra última hora e não entrei com essa…fiz a fundamentação e qndo fui enviar tinha acabado o prazo…rs…mas pelo menos deu pra entrar com 2 de inglês…vamos esperar agora…

  15. E é linda mesmo, viu. Já fui pra uma vez, há muuuito tempo…. rs Quem sabe é este o meu concurso definitivo. Já estou aqui na “catança” por informações para o concurso, baixei provas antigas e amanhã já (re)começo a estudar!

    Pois é, fiquei a semana toda por conta dos Correios, mas agora não tem mais o que fazer, né… a sorte está lançada e até julho tem muito tempo ainda… esperar e esperar…

  16. Mariana, parabéns pelo blog! É sempre bom discutirmos questões de concurso, afinal, a banca não é a dona da verdade (apesar dela pensar que sim).
    Minha pontuação foi baixa, fiz pra João Pessoa, sei que não dá pra passar, mas mesmo assim entrei com alguns recursos. Fiquei super revoltada com a prova, com aquela sensação de que nem se eu tivesse “comido” todos os meus livros de comunicação acertaria questões de pitching, site-espelho, etc.
    Sobre a questão da reportagem de TV, eu aprendi na universidade que tinha que ter, por questão de qualidade mesmo, mas não achei bibliografia que confirmasse, então me rendi e agora já sei.
    Mas agora é bola pra frente. O que me consola é que não foi tempo e dinheiro perdido, nosso conhecimento sempre cresce fazendo uma prova (principalmente essa com tantas coisas novas pra mim), capacitando para a próxima.

    O blog já está nos meus favoritos!
    Boa sorte para todos!

    1. Obrigada, Clarisse!

      Concurso é assim mesmo, a cada um que a gente faz aprendemos um pouquinho a mais. Não só sobre os assuntos, mas sobre como fazer prova se livrando das cascas de banana!

      Agora é esperar até o dia 05 de julho.

  17. fiz a prova passei , fui chamado para a avaliação fisica e nao aceitaram meu atestado medico . Falei com agente no dia e ele me explicou que lá para o dia 15 de outubro sai a lista de aprovados e teria 3 dia para entrar com recursos , hj dia 13 liguei para la e a atendente me informou que a data para recurso foi dia 6 e nem havia recurso para esse tipo de assunto alguem passou por essa situação ? Aceito opinioes , um abraço para todos.

  18. FIZ O TESTE FISICO HOJE SO FALTOU 300 METROS NA CORRIDA NOS OUTROS PASSEI QUERO RECORRER MAS NAO SEI COMO QUERIA UMA OPINIAO VALEU ABRAÇO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s